Inseguranças

Bom dia, meninas!

Quando estamos diante de alguma situação nova ou desconhecida, é normal que fiquemos ansiosas e nos sentindo inseguras, com medo de fazer algo errado ou de não saber lidar com a situação. Acontece que inseguranças demais e constantes só trazem sérios prejuízos, principalmente quando se trata de relacionamentos.

 Sempre estamos buscando algo que nos faça se sentir seguro, mas na verdade é bem difícil de conquistar a segurança (para não dizer impossível), pois nada nesse mundo é certo, tudo está em constante mudança, então fica difícil encontrar algo que seja permanente e estável. O mundo gira: um dia estamos por cima, no outro por baixo e por ai vai. Se ficarmos constantemente em busca de segurança, estaremos em um caminho sem fim, pois não dá para termos controle sobre tudo e todo mundo.

A insegurança está relacionada com o medo de perder, com o apego que sentimos e até mesmo com o medo da solidão. Quando ficamos apegadas a uma pessoa, quando passamos a querer ela do nosso lado o tempo todo, ficamos preocupadas com o depois, com o futuro, ficamos receosos em relação ao que pode acontecer e tentamos controlar e barrar tudo que pode atrapalhar o relacionamento e que possa nos trazer a dor e o sofrimento de um amor que não deu certo. Assim, as inseguranças vão trazer ciúme excessivo e a tentativa de um controlar o outro, o que não irá deixar ninguém feliz.

Na verdade, quando se trata de amor e relacionamento, nós nunca temos nenhuma garantia de que o sentimento vai continuar, nem que a relação vai dar certo, então não adianta ficar matutando sobre algo que não temos como controlar. As inseguranças surgem quando há carência, baixa autoestima, necessidade de se sentir amado e valorizado, mas o amor de verdade não controla, não é inseguro e não priva o outro de nada, pois amor é uma construção diária e permanente.

Nós não podemos obrigar ninguém a nos amar, então o que podemos fazer é aprender que não somos donos de nada nem de ninguém, que tudo passa, tudo é efêmero. Não podemos perder tempo tentando controlar os sentimentos, os passos e os comportamentos do outro, achando que com isso iremos conseguir mantê-lo sempre conosco. O que podemos fazer é cultivar sempre o respeito à individualidade e ao espaço do outro, o carinho, a amizade e a cumplicidade.

Devemos parar de sentir medo de perder algo que na verdade não nos pertence: não somos donos de ninguém. O outro é um ser que possui sua própria subjetividade, suas próprias vontades e sentimentos que nem sempre ele mesmo consegue controlar, que dirá nós. O bom da vida é deixar acontecer naturalmente, é correr riscos e não se acomodar; se ficarmos acomodados, a vida vai passar e ficaremos para trás.

Quando aceitamos que não podemos controlar nada, a segurança interna surge naturalmente, em forma de autoconfiança, de amor-próprio, autoestima e autoconhecimento. Só assim iremos desfrutar de relações saudáveis, que se complementam, que trazem felicidade e que respeitem o espaço de cada um.

Às vezes nós mesmas temos comportamentos que deixam margem para dúvidas e questionamentos, então é importante sempre deixar tudo bem claro entre os dois e resolver todas as questões que surgirem. Nada de ficar impondo e exigindo, o melhor a se fazer é chegar a acordos que beneficiem a todos. Se você se sente insegura ou percebe que seu namorado é inseguro, mantenham o diálogo aberto, sejam cúmplices, sejam amigos e cultivem o respeito pelo amor que vocês sentem, não deixando que ciúmes e paranóias estraguem tudo.

Beijos!

Amanda Carvalho (amandacarvalho@patricinhaesperta.com.br)

Inseguranças
ESTA DICA FOI ÚTIL? VOTE AQUI

Kalina Amaro

Sou jornalista, blogueira, louca por cosméticos e chocolate. ? Escrevo sobre um pouco de tudo que for relacionado ao universo feminino.. mas você vai ver meus posts mais na categoria beleza. Se esta dica foi útil pra você VOTE no meu post clicando na entrelinha ☝ acima, tá? Faça seu comentário abaixo. Beijos lindonas ?

No Comments Yet

Leave a Reply

Your email address will not be published.

error: O conteúdo está protegido por direitos autoriais.