Suspensão Da Menstruação:Uma Bandeira Polêmica

No post anterior disponibilizei uma entrevista do Dr. Elsimar Coutinho para a Revista Super Interessante e nesse post vou disponibilizar uma entrevista concedida pelo do Dr. Elsimar Coutinho ao  jornal O Estado de São Paulo .

Conforme expliquei no post passado, o Dr. Elsimar Coutinho é médico, cientista, responsável pela criação do Centro de Pesquisa e Assistência de Reprodução Humana  (CEPARH), conselheiro da Organização Mundial de Saúde e membro de mais de 20 entidades de pesquisas médicas no Brasil e no Exterior.

Vejamos a entrevista:

Segundo suas pesquisas, por que a menstruação adquiriu conotação positiva?

Na Antiguidade, os médicos não sabiam o que provocava o sangramento mensal. Notavam que mulheres ficavam muito nervosas e, quando menstruavam, se acalmavam. Os filósofos gregos Hipócrates, conhecido como o Pai da Medicina, e Galeno, o Príncipe da Medicina, analisaram racionalmente esse fenômeno e concluíram que a menstruação fora gerada pela natureza para aliviar o nervosismo da mulher. E que, se sangrar periodicamente não fazia mal a elas, então deveria fazer bem. Inspirado na menstruação, Hipócrates passou a acreditar na sangria terapêutica como recurso infalível para livrar doentes de seus males.

O que era a sangria terapêutica?

Essa prática médica foi utilizada até o começo do século 20. Décadas atrás, só para se ter uma idéia, ainda existia diploma de sangrador na Universidade Federal da Bahia, onde me formei em Medicina. Esse tipo de especialista sabia cortar uma veia, deixar sangrar e, depois, ligar novamente. Esse método era usado para tirar o “veneno” de dentro da pessoa e, dessa forma, livrar os doentes de seus misteriosos males. Era assim que se tratava desde uma leve dor de cabeça até a mais grave pneumonia. Primeiro, tentavam expulsar o “mal” provocando vômito. Se não desse certo, usavam purgante para causar diarréia. A sangria era a última opção, considerada o tratamento “maior”. Há várias histórias sobre essa prática. Uma delas é caso de George Washington, primeiro presidente dos Estados Unidos. Quando ele deixou a presidência, foi para sua casa de campo e, durante um passeio, caiu do cavalo e quebrou a perna. Os médicos do presidente fizeram tantas sangrias que ele acabou morrendo de anemia aguda.

A pílula anticoncepcional surgiu dentro desse conceito antigo?

A influência de Hipócrates e Galeano, que viveram respectivamente há 2400 e 1800 anos, foi tão persuasiva que até hoje são citados na literatura médica. Em pleno século 21, há quem acredite que as mulheres precisam sangrar para desintoxicar o organismo. Essa é uma das razões pelas quais a pílula foi programada para continuar imitando a natureza. A menstruação incorporou-se de tal forma à cultura que a indústria farmacêutica e os médicos se preocuparam em desenvolver algo que assegurasse às usuárias um sangramento mensal.

O sangramento mensal, durante o uso da pílula, foi então uma concepção equivocada?

O uso contínuo da pílula por 21 dias, seguido do intervalo de oito dias para surgir o sangramento, foi idealizado pelo professor John Rocks, o responsável pela introdução dos anticoncepcionais nos Estados Unidos. Por ser católico praticante, ele pensava que, se a pílula se assemelhasse ao ciclo menstrual, o método seria aceito pela Igreja Católica. Além disso, o sangramento mensal serviria como prova da eficiência da pílula na contracepção. Mesmo assim, a igreja manteve sua posição contra os anticoncepcionais e as pílulas mantiveram essa característica de imitação do ciclo menstrual.

A partir de quando veio a sua teoria de que não menstruar traz benefícios?

Comecei a me envolver com pesquisa científica. Na época em que inventaram a pílula, lá pelos anos 60, estava nos Estados Unidos, e não me conformava com a idéia de a mulher ter de menstruar. Tentando desenvolver um anticoncepcional injetável, descobri que as mulheres que ficavam sem menstruar durante meses tinham melhoras em casos de anemia, cólica, TPM, etc. O efeito desse anticoncepcional poderia durar meses ou até um ano, dependendo da dose. Foi quando decidi estudar a história da menstruação. Passei mais de dois anos mergulhado em livros, nas grandes bibliotecas americanas, e fui me convencendo do grande equívoco da menstruação, que é, nada mais, nada menos, do que um método anticoncepcional primitivo.

Por que o senhor vê o ciclo menstrual como um miniaborto?

Antes dos anticoncepcionais, a mulher evitava a gravidez deixando de ter relações sexuais ou praticando sexo oral ou anal, para não colocar sêmen dentro dela. No passado, dificilmente se encontraria uma mulher menstruada, uma vez que sempre estaria grávida ou amamentando, condições nas quais não ocorre ovulação e, conseqüentemente, falta a menstruação. Com os métodos anticoncepcionais, a mulher civilizada ovula repetidamente sem engravidar, abortando os ovos não fertilizados, o que chamo de miniaborto.

Quais problemas estão associados à menstruação?

Os sangramentos repetidos contribuem para a anemia, característica do sexo feminino, além das doenças chamadas catameniais, associadas à menstruação ou ao refluxo de sangue menstrual, tais como endometriose, cólica (dismenorréia), enxaqueca, miomas, entre outras. Será publicado este mês um artigo que escrevi para a revista americana Contraception, chamado “To Bleed or not to Bleed, That?s the Question” (Sangrar ou não Sangrar, eis a Questão), no qual descrevo tudo de ruim que a menstruação pode provocar, e desafio quem falar o contrário.

Quais são os benefícios da supressão do sangramento mensal?

Não menstruar diminui a incidência de câncer de mama, de útero, de ovário. E também diminui a incidência de câncer no colo do útero por um mecanismo diferente: porque a mulher que usa esse método é aquela que se cuida melhor, é dona de si. A menstruação é também um meio de contaminação muito importante: manter relação menstruada pode disseminar doença, uma vez que é pelo sangue que a bactéria vai. O refluxo do sangue contaminado por vírus nas trompas pode ser responsável por uma peritonite, inflamação do peritônio (membrana que reveste a cavidade abdominal). Este problema exige cirurgia complicada e pode matar.

Por que a reposição hormonal na mulher é apontada como responsável pelo aparecimento de câncer?

Quando me perguntam se hormônio dá câncer, respondo que depende da circunstância. Os hormônios sexuais são os principais responsáveis pela vida reprodutiva animal. Sem eles, não haveria sexo. Sem sexo, não existiríamos. Os hormônios femininos, os estrogênios, transformam uma criança em mulher. E são os hormônios masculinos que transformam o menino em homem. Conclusão: os hormônios nos dão a vida. Quando somos jovens, produzimos hormônios em abundância. Nesse período da vida, que vai até a quarta década, o câncer é uma doença relativamente rara. O de mama, por exemplo, tem incidência inferior a 1% antes de 50 anos de idade. Mas quando a mulher deixa de fabricar os hormônios, o risco de câncer aumenta muito. O câncer de próstata é igualmente raro antes dos 40. Na segunda metade da vida do homem, quando a produção de testosterona cai e a vida sexual diminui, aumenta drasticamente o risco de câncer.

O câncer está associado a qual fator?

É mais lógico associar o aumento da incidência, tanto de câncer de mama como de próstata, à falta de hormônio do que ao seu excesso. Entre os fatores que aumentam a incidência após a quarta década, além da própria idade, estão: ganho de peso, consumo de bebidas alcoólicas, fumo, exposição ao sol e a prática de sexo inseguro. A cada 10 quilogramas que a mulher acrescenta a seu peso, a partir de 20 anos de idade, haverá um aumento de 30% no risco de desenvolver câncer de mama. Não tem hormônio esteróide que dê um aumento desse, nem o sintético, o qual eu não uso. O consumo de álcool, além de ser um dos responsáveis pelo ganho de peso, faz aumentar o risco de surgimento de vários tipos de câncer, porque a bebida afeta as células, interferindo no DNA. O fumo é o responsável por câncer de pulmão, bexiga e pâncreas. O sol provoca câncer de pele. E câncer do colo de útero, o mais comum no Brasil, está relacionado ao vírus HPV, adquirido através da relação sexual. Isso se aplica também ao câncer de pênis. Quanto mais variados os parceiros ou parceiras, maior o risco de adquirir o vírus.

Os homens devem se preocupar também com reposição hormonal?

Testosterona tem de estar lá em cima sempre. Quando esse hormônio está baixo, o homem pendura a chuteira. Para saber quem precisa ou não, basta fazer exame para ver a dosagem no sangue. Mas existem alguns sinais que ajudam a revelar o nível de testosterona do homem. Um deles está na cara: alguém com barba farta e pouco cabelo pode indicar que a produção desse hormônio é alta. As evidências estão também no corpo: pouco ombro e quadril largo são sinais de baixa testosterona; assim como cansaço, perda de memória e de libido, independentemente da idade. Cuido da minha reposição hormonal. A minha gasolina é a testosterona.

Além do programa de controle de natalidade, como anda o projeto para ajudar mulheres que não conseguem engravidar?

Em breve, o CEPARH vai oferecer também às mulheres pobres e que não têm filho a oportunidade de ter um bebê de proveta. Como vai funcionar, ainda não sei. Já comprei um laboratório, em São Paulo, com dinheiro do meu bolso, e estamos instalando-o no instituto de Salvador. Outro projeto está em andamento na minha fazenda, no interior da Bahia. É onde faço bebê de proveta em gado. Compramos sêmen dos melhores touros do Brasil, recolhemos óvulos de vacas de raça, fazemos a fecundação in vitro e colocamos numa receptora barata, uma vaca sem estirpe, para gerar um bezerro valioso. Agora estão começando a nascer os primeiros filhos de proveta, que serão uns 70. É uma alternativa que encontrei para manter uma renda e, assim, conseguir diminuir meu ritmo de trabalho. Estaria rico se não tivesse destinado boa parte do meu dinheiro à filantropia.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,uma-bandeira-polemica,71728,0.html
Ainda essa semana trarei mais entrevistas de alguns  especialistas que concordam e que discordam da suspensão da menstruação para que vocês se mantenham cada vez mais bem informadas, tá?

Beijos

Ju

julianalopes@patricinhaesperta.com.br

Suspensão Da Menstruação:Uma Bandeira Polêmica
ESTA DICA FOI ÚTIL? VOTE AQUI

Kalina Amaro

Sou jornalista, blogueira, louca por cosméticos e chocolate. ? Escrevo sobre um pouco de tudo que for relacionado ao universo feminino.. mas você vai ver meus posts mais na categoria beleza. Se esta dica foi útil pra você VOTE no meu post clicando na entrelinha ☝ acima, tá? Faça seu comentário abaixo. Beijos lindonas ?

5 Comments
  1. Sou super a favor da suspensão menstrual, hoje SOU OUTRA MULHER!!.
    Desde a minha primeira menstruação a minha vida foi transformada em um verdadeiro inferno. O que era papo entre eu e minhas amigas, como uma mudança legal e esperada, pois sabíamos que depois deste acontecimento, nós finalmente poderíamos dizer que não éramos mais crianças. Enfim, no meu caso isso aconteceu muito cedo, com apenas 11 anos de idade. Antecedeu com cinco dias de febre, vômito e muita cólica e daí pra frente às coisas só pioraram.
    Passei por muitos momentos de constrangimentos, pois menstruava demais e várias vezes no mês, ou ficava por volta de 20 dias menstruando, imaginem isso na vida de uma garota dos seus 11 até seus 18 anos?? Foi quando passei a usar anticoncepcionais, por indicação médica, mesmo assim meus problemas ainda não haviam acabado, tive muitos efeitos colaterais, tais como vômito e escapes de sangramentos durante o mês.
    Aos 21 anos, me tornei mãe e depois disso senti que melhorou muito, apesar de sangrar bastante durante o período, ele só durava de 4 a 7 dias e depois conseguia ficar o restante do mês livre.
    Mas minha felicidade não durou muito, aos 28 anos meus problemas começaram novamente e mais graves do que nunca. Cheguei a ficar internada por várias vezes, sem que existisse um diagnóstico para o meu caso. Adquiri uma anemia de 6.4 que se arrastou por um ano, e que fiquei a base de tratamento com suplementos de ferro por um longo tempo.
    A última e critica situação que enfrentei foi ficar durante quatro (4) meses sangrando, indo de um lado e outro em consultórios e hospitais, sem que meu caso fosse solucionado, fiquei tomando um medicamento chamado transamim de faixa preta, usado para hemorragias pós-cirúrgicas, pois é acreditem se quiser!!Até que graças a Deus um médico me disse que no meu caso a única solução seria suspender meu o ciclo e me indicou um anticoncepcional de 0,35mg e com administração contínua, que MUDOU A MINHA VIDA!!!! Hoje tenho 34 anos e sou outra mulher, muito mais feliz e disposta, não tenho mais dores, enjoos e nem passo mais por situações constrangedoras, meu maior medo era precisar fazer histerectomia, pois minha mãe também sofredora como eu precisou fazer aos seus 45 anos.
    Quero ainda ter mais um filho e sei que vou conseguir, logo, logo!! pois hoje com certeza com a qualidade de vida que tenho serei uma mãe ainda melhor.

    Beijos a todas e muito obrigada pelo espaço para meu desabafo.

    Ps. Só criticam aqueles que nunca passaram pelo que eu passei e que muitas mulheres ainda passam, a suspensão menstrual é ótima para aquelas que têm indicações para isso. Consultem seus médicos e discutam com eles a possibilidade, pois cada caso é um caso.

  2. ju
    sou super a favor de nao menstruar , pois é muito ruim
    mas tenho medo de nao engravidar no futuro , sera que isso prejudica?

  3. rosangela santos disse:

    gostaria de saber mais comentario sobre ciclo menstrual.

  4. Meu sonho é retirar o útero. Choro uma semana antes já sabendo o que vou sofrer durante meu período.
    Ja tomei anticocepcional oral, continuo, injetavel, trimestral e meu organismo não se deu com nenhum.
    Já tenho dois filhos e fiz laqueadura para não ter mais filhos, porém como tive meu segundo filho aos 27 anos meu médico quase não fazia minha laqueadura pela idade e quando falei em tirar o útero ele não quis mesmo fazer a cirurgia.
    Quem disser que minha menstruação é saúde eu digo que é saúde porque não é você que passa pelo que eu passo.
    Eu não consigo sair de casa por conta das cólicas e do fluxo que de tão intenso passa pra roupa. Passo entre 7-10 dias menstruada.
    Romo buscofem para as cólicas e Transamin pro fluxo são 2 caixas de cada rémedio por mês, fora os absorventes noturnos que são de 5-7 pacotes por mês. Matematicamente falando eu gasto em torno de R$200.00 por mês com minha menstruação que não me deixa nem um pouco feliz.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

error: O conteúdo está protegido por direitos autoriais.