Aids

A aids trata-se de uma batalha a ser travada diariamente, com esclarecimento, prevenção e o que é mais importante, sem qualquer tipo de preconceito. Apesar dos avanços alcançados nos útlimos anos, não nos esqueçamos de que novas gerações surgem e não possuem o mesmo conhecimento da enfermidade que as anteriores adquiriram, ficando assim, mais vulneráveis ao contágio desse mal.

Apesar da tendência à estabilidade, a epidemia de HIV afeta de maneira diferenciada as diversas regiões do mundo. De acordo com o Relatório Global 2011, do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV (Unaids), existem 34 milhões de pessoas com o vírus. No Brasil, são cerca de 630 mil. A organização reconheceu que novas infecções e mortes relacionadas à aids caíram para os níveis mais baixos desde o pico da epidemia, na década de 1990.

Desde 1990, o país adotou a política de acesso ao antirretroviral pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e graças a esse acesso, foi possível a manutenção dessa política nos dias de hoje. O Brasil foi um dos pioneiros a distribuir, gratuitamente, toda a medicação necessária para o combate ao vírus.

O tratamento é relativamente alto, varia de país para país. Na atualidade são gastos R$ 800 milhões para atender 200 pacientes, o que dá uma média de R$ 4 mil por pessoa. Esse custo, nos anos de 1990, era superior a R$ 20 mil. O mais importante agora, é primeiro estabelecer uma mobilização social, dos meios de comunicação, da comunidade, de lideranças sociais, para que possam estar envolvidos nesse processo. E depois, analisar a questão da ampliação da testagem para diagnóstico mais precoce.

Com 30 anos de epidemia, muita gente ainda não tem conhecimento sobre a doença. É um desafio superado a cada dia e as pessoas que a contraíram, acordam agradecendo por estarem vivas, pedindo a Jesus que permaneçam viver com dignidade.

O vírus do HIV ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4 e depois de se multiplicarem, rompem os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.

Ter o HIV não é a mesma coisa que ter a Aids. Há muitos soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença, mas podem transmitir o vírus a outras pessoas através das relações sexuais, pelas seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e durante a amamentação.

Os sintomas mais comuns da doença, são muito parecidos com o sintoma de uma gripe, como febre e mal estar. O organismo também fica cada vez mais fraco e vulnerável a infecções comuns, ocorrem diarréia, suores noturnos e emagrecimento.

As pesquisas sobre a aids costumam receber muitas verbas, apesar da cura ainda não ter sido descoberta e ainda não ter sido desenvolvida uma vacina para não contrair a doença. O que existem atualmente são vários remédios, como os famosos coquetéis, que aumentam a sobrevida dos portadores do vírus. Assim, a doença sendo tratada, muitas pessoas podem levar a vida normalmente.

A aids não é transmitida apenas convivendo socialmente, ou um aperto de mão, um abraço ou até mesmo usar os mesmos utensílios domésticos.

Meninas vamos tomar cuidado e conversar muito com os nossos filhos, para que essa doença não venha fazer parte da saúde de uma determinada pessoa da família.

Beijos, Rogéria.

Aids
ESTA DICA FOI ÚTIL? VOTE AQUI

Sobre Kalina Amaro

Sou jornalista, blogueira, louca por cosméticos e chocolate. 👯 Escrevo sobre um pouco de tudo que for relacionado ao universo feminino.. mas você vai ver meus posts mais na categoria beleza.

Se esta dica foi útil pra você VOTE no meu post clicando na entrelinha ☝ acima, tá?
Faça seu comentário abaixo. Beijos lindonas 😘

Minha Página
Saiba Mais

Kalina Amaro: kalina@patricinhaesperta.com.br

contato@patricinhaesperta.com.br / redacao@patricinhaesperta.com.br

* Saiba como escrever para o site PatricinhaEsperta CLIQUE AQUI.

Disfunções sexuais
Cuidado com a asma

Faça seu comentário aqui

RSS 2.0

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.