Hepatite C – Regras de tratamento

Gente se vocês conhecem alguém que seja portadora de hepatite C atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) poderão ter o tratamento prolongado por indicação médica. A possibilidade está prevista em um novo protocolo da doença, apresentado pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde. O médico poderá ampliar a continuidade do tratamento de 48 semanas para até 72 semanas. E ainda o remédio usado contra a doença, o interferon peguilado, será ampliado para o tratamento de quatro tipos de enfermidade.

Atualmente existem 11.882 pessoas em tratamento, mas ainda é possível que existam 1,4 milhão de pessoas infectadas pelas hepatites B e C. Da infecção à doença crônica, pode existir um intervalo de 20 anos. Uma das orientações é o incentivo ao diagnóstico precoce. Quanto antes o paciente tiver acesso ao exame, mais fácil é o tratamento para eliminar as patologias. A hepatite C é dez vezes mais “infectante” do que o HIV, vírus causado da aids.

Por favor, quem é mãe ou tenha um adolescente em casa, converse com eles, mas saibam que não necessariamente a doença é transmitida através do sexo. O modo mais fácil de se infectar é o contato com o o sangue. E esse sangue pode estar em instrumentos ligados a atividades de manicure e pedicure, de tatuagem, de piercing, seringas, instrumentos que não estão bem esterelizados.

Estimativas do departamento de saúde, apontam que um tratamento com duração de 48 semanas com o interferon peguilado pode custar R$ 23 mil ao SUS. A hepatite C é uma doença que acomete o fígado e pode ser transmitida por transfusão de sangue ocorrida antes de 1993 (ano em que os testes para detecção de anticorpos da enfermidade em bancos de sangue foram implantados) e por via sexual.

Várias pessoas infectadas pela hepatite C geralmente não têm sintomas. Se a infecção esteve presente por muitos anos, o fígado pode estar permanentemente cicatrizado e daí poderá surgir a cirrose. Mas se ocorrerem alguns sintomas como dor abdominal (quadrante superior direito do abdome), ascite (líquido no interior do abdome), varizes sangrentas (veias dilatadas no esôfago), urina escura e fadiga, prurido generalizado (coçeira), icterícia (pele amarela), perda de apetite, febre baixa, náusea, fezes pálidas ou com cor de argila e vômitos, procure imediatamente um médico.

No caso do tratamento, os medicamentos têm vários efeitos colaterais, inclusive: Depressão, fadiga, febre, sintomas semelhantes ao da gripe, dor de cabeça, irritabilidade, perda de apetite, baixa quantidade de glóbulos brancos e plaquetas, náusea, afinamento dos cabelos e vômitos.

Portanto, vamos ficar atentas aos sintomas e ajudar as pessoas que precisam ou por não terem conhecimento da Hepatite C!

Beijos para vocês!

rogeriasampaio@gmail.com

Hepatite C – Regras de tratamento
ESTA DICA FOI ÚTIL? VOTE AQUI

Kalina Amaro

Sou jornalista, blogueira, louca por cosméticos e chocolate. ? Escrevo sobre um pouco de tudo que for relacionado ao universo feminino.. mas você vai ver meus posts mais na categoria beleza. Se esta dica foi útil pra você VOTE no meu post clicando na entrelinha ☝ acima, tá? Faça seu comentário abaixo. Beijos lindonas ?

1 Comment
  1. Ola rogeria

    Muito boa sua colocação referente a hepatite c…
    Hoje convivo com esse drama, minha mãe descobriu que tem o virus da hepatite c.. O lado bom é que a doença esta no inicio segundo os exames que ela fez, mas o lado ruim é que o SUS disponibiliza remédios só para as pessoa que chegam a um grau mais avançado, e como o tratamento é de valor alto fica complicado fazer particular né.. Esse é o nosso brasil, espera que avançe a doença para que possa ser tratada uma verdadeira vergonha não é mesmo?

    Beeijos Cris

Leave a Reply

Your email address will not be published.

error: O conteúdo está protegido por direitos autoriais.