As Dificuldades no Diagnóstico do Deficit de Atenção

Em casos de crianças em idade escolar, é fácil perceber que determinados comportamentos, comum à infância, são exagerados. Pode-se notar, ainda, comportamentos não tão compatíveis e adequados à idade.

Até determinado ponto, a hiperatividade e a desatenção, que são os sintomas mais facilmente percebidos, são normais, mas quando fogem dos padrões é preciso que a criança seja avaliada por um profissional capacitado para identificar, ou não, a presença do déficit de atenção e minimizar o sofrimento dessas crianças e de suas famílias.

Quanto mais cedo o problema for encarado de frente e o diagnóstico for feito, menores serão os danos e menor será o impacto negativo na vida educacional, social e familiar da criança, então pais e educadores precisam ficar atentos, já que, quando não é tratado, esse tipo de transtorno pode ocasionar em muitos males que se prolongam por toda a vida.

Não se pode negar, também, que há um outro lado. O lado de pais e educadores que a qualquer sinal de maior agitação, maior “danação”, encaminha a criança para, como se diz por aqui, “tomar Ritalina e quietar o facho”. Sim, existem pais que fazem isso. Pior, existem pais quem fazem isso orientados por “supostos” educadores, e isso eu escutei da minha neurologista.

Captura de tela inteira 25042013 210552

Mas, como é feito esse diagnóstico?

Bom, o diagnóstido do déficit de atenção é fundamentalmente clínico, sendo baseado em critérios operacionais previamente definidos, que tem origem em sistemas classificatórios como o DSM-IV e o CID-10. Esses sistemas classificatórios  pressupõem a presença de ao menos seis sintomas de desatenção e/ou seis sintomas de hipertatividade/impulsividade avaliados preferencialmente por um neurologista ou psiquiatra. Existem avaliações e exames neurológicos complementares, mas o determinante mesmo é a anamnese.

Em relação à desatenção, os sintomas são os seguintes:

  • Dificuldade de prestar atenção a detalhes ou cometer erros  por descuido em atividades escolares  ou de trabalho;
  • Dificuldade para manter a atenção em tarefas ou atividades mais  lúdicas;
  • Não seguir instruções e regras;
  • Não terminar qualquer tipo de tarefas, sejam elas escolares, domésticas ou profissionais;
  • Desorganização;
  • Dar a impressão de que não escuta quando lhe dirigem a palavra;
  • Evitar tarefas que sejam repetitivas, maçantes ou envolvam esforço mental constante;
  • Se distrair com estímulos alheios à tarefa que está realizando;
  • Perder coisas que são necessárias para a realização de suas tarefas.

Em relação à hiperatividade, os sintomas são os seguintes:

  • Falar demasiadamente;
  • Estar o tempo todo a “todo vapor”;
  • Não conseguir permanecer sentado quando é isso que se espera;
  • Se remexer na cadeira ou agitar pés e mãos o tempo todo;
  • Correr exageradamente em situações e momentos inapropriados;
  • Dificuldades em permanecer em silêncio em atividades de lazer ou mesmo de brincar.

Em relação à impulsividade, os sintomas são os seguintes:

  • Responder antes da pergunta ser concluída;
  • Ter dificuldades em esperar sua vez, seja para o que for;
  • Interromper ou interferir nos assuntos alheios;

Observados vários desses sintomas ao mesmo tempo, aí sim se pode pensar em déficit de atenção, que deve ser tratado o quanto antes para evitar ainda mais prejuízos para a vida das crianças.

Beijos

Ju Lopes

As Dificuldades no Diagnóstico do Deficit de Atenção
ESTA DICA FOI ÚTIL? VOTE AQUI

Kalina Amaro

Sou jornalista, blogueira, louca por cosméticos e chocolate. ? Escrevo sobre um pouco de tudo que for relacionado ao universo feminino.. mas você vai ver meus posts mais na categoria beleza. Se esta dica foi útil pra você VOTE no meu post clicando na entrelinha ☝ acima, tá? Faça seu comentário abaixo. Beijos lindonas ?

2 Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.

error: O conteúdo está protegido por direitos autoriais.